Home ⠀Gerenciamento de Redes Sociais As dicas que você esperava sobre venda nas redes sociais finalmente chegou

As dicas que você esperava sobre venda nas redes sociais finalmente chegou

Venda nas redes sociais

As redes sociais são ferramentas de interação com o público, mas também incentivadoras das compras. Afinal, quem é que resiste a uma publicação bem montada, com uma imagem de um produto lindo e útil? A venda nas redes sociais é um caminho certeiro. 

Assim como as gôndolas ao lado dos caixas de supermercados, essas mídias são estimuladores da compra impulsiva. Tanto é que o Facebook é o segundo maior motivador de compras, segundo a 40ª Webshoppers.

Em primeiro lugar, estão os sites de busca, com 25% das indicações. As redes sociais vêm logo a seguir, com 19%. Desse total, o Facebook leva uma fatia de 53% das recomendações, sendo o Instagram o segundo fator principal, com 32%.

A pesquisa ainda sinalizou que 80% dos consumidores que adquiriram algum produto ou serviço indicado pelas redes sociais ficaram satisfeitos com o preço e elogiaram a compra. Então, como usar esse recurso a seu favor? Saiba absolutamente tudo sobre o assunto neste artigo.

Desvendando o trabalho remoto na internet

O trabalho remoto já é uma realidade consolidada no Brasil. Com a flexibilidade das leis, as empresas optam cada vez mais pelo home office e contratação de freelancers ou autônomos. Você já aproveitou essa oportunidade?

Se ainda não trabalha nesse regime, mas quer sair do CLT agora, saiba que há uma luz no fim do túnel. Tem curiosidade e quer saber mais? Vamos te mostrar como essa modalidade pode te ajudar a otimizar a sua venda nas redes sociais.

O panorama do trabalho remoto no Brasil

Trabalhar em casa sempre foi uma realidade no Brasil, mas ela foi incentivada com a Reforma Trabalhista, sancionada em 2017. Polêmicas à parte, o fato é que atuar de forma remota se tornou uma possibilidade cada vez mais viável para os profissionais — até mesmo para você.

Esse cenário fez aumentar o número de Microempreendedores Individuais (MEIs), já que esse regime costuma ser escolhido para atuar nessa modalidade. Para ter uma ideia, em março de 2019, o País já tinha mais de 8 milhões de pessoas nessa modalidade tributária.

Em cinco anos, o número de MEIs aumentou 120% e nos primeiros três meses de 2019, a adesão chegou a 379 mil cadastros.

No entanto, o trabalho remoto vai além de ser um freelancer ou um autônomo. É possível ser CLT e atuar em home office. O número de vagas cresce e 65% dos profissionais preferem ficar fora do escritório.

Além disso, 97% acreditam que a qualidade de vida é melhor ao ter mais liberdade e 87% entendem que o nível de estresse seria reduzido. Apesar do desejo dos colaboradores, 53% deles informaram nunca terem essa alternativa.

O mercado, portanto, precisará mudar nos próximos anos. As empresas que ainda resistem a essa realidade deverão se adequar devido à demanda dos profissionais.

Afinal, para 57% deles, é uma boa ideia mudar de emprego para ter mais flexibilidade de horários e 37% consideram o remoto a melhor alternativa, pelo menos para parte do tempo. No Reino Unido, por exemplo, 70% dos profissionais acham importante ter essa opção.

Uma das áreas que está mais quente e uma boa estratégia de venda nas redes sociais pode impulsionar (e muito) os resultados é o mercado de afiliados. Conheça essa área no vídeo a seguir.

O funcionamento do trabalho remoto e seus benefícios

A ideia de acordar a hora que quiser, organizar as suas demandas conforme desejar e ter tempo livre para realizar outras atividades é um dos aspectos que mais atrai quem deseja trabalhar em casa. No entanto, essas não são exatamente as características da atuação remota.

Esse termo tem mais a ver com a ausência de deslocamento físico para a empresa. Por isso, pode ser cobrada uma jornada de trabalha específica — ainda que isso seja menos comum. Essa exigência costuma ser solicitada por empresas que adotam essa modalidade.

Nesse caso, você fica em casa com a estrutura mínima para possibilitar esse trabalho remoto, ou seja, computador e internet de alta velocidade. Ter um local adequado, com mesa e cadeira ergonômicas, também é essencial para evitar dores nas costas e lesões por esforço repetitivo (LERs). 

Como freelancer ou autônomo, você também pode adotar o home office. Se preferir, os coworkings são boas opções. Para quem pretende variar, ir a um café ou restaurante de vez em quando faz toda a diferença.

Leitura recomendada

👉 O que você precisa saber sobre empreendedorismo digital desvendado neste artigo

Ainda há quem esteja um passo à frente e viva o sonho de consumo de muitas pessoas: ser um nômade digital. O que isso significa? É trabalhar online de qualquer lugar do país ou do mundo, sem ter um local particular. Assim, você ganha dinheiro e vive se mudando ou viajando para diferentes locais.

Dentro desse conceito, há quem trabalhe na Europa, nos Estados Unidos, em Hong Kong e muitos outros países — até Bali e Malásia, se quiser. A ideia, porém, é sempre ficar um tempo determinado nesses lugares, sem criar raízes.

Muitos optam por esse estilo de vida durante um tempo. É o caso de fazer um mochilão e usar o trabalho remoto como forma de se manter financeiramente. No entanto, é uma situação diferente de fazer um intercâmbio, porque o nômade está em constante mudança.

Achou interessante alguma dessas possibilidades? Veja os benefícios de trabalhar a distância e melhorar sua estratégia para a venda nas redes sociais.

Autonomia

A pessoa que trabalha de casa tem mais autonomia para desenvolver suas atividades e atuar com foco na produtividade. Você deixa de depender de um chefe ou gestor dizendo o que deve realizar e passa a ser proativo e cumprir jornadas que variam conforme sua capacidade, objetivos e prioridades. 

Todos os dias você decide o que fazer e tem a chance de escolher os clientes com os quais vai firmar parceria. Com a autonomia, você sente diferentes benefícios, como capacidade de:

  • solucionar os problemas a partir da criatividade (96%);
  • contribuir de forma eficiente (90%);
  • oferecer serviços de atendimento ao cliente mais efetivos (87%).

Em outras palavras, você se desenvolve melhor, porque tem responsabilidade sobre suas ações e precisa tomar decisões todos os dias — isso nem sempre acontece em um emprego tradicional.

Liberdade

Seu tempo é livre para ser usado como quiser no trabalho de forma remota. Essa é uma vantagem clara, desde que usada de maneira adequada. Afinal, como diz o tio Ben: “com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”. Sacou a referência?

A ideia é exatamente essa. Você pode acordar, tirar um tempo para o café da manhã, dormir um pouco após o almoço e até ficar um dia inteiro de folga. No entanto, deve saber que precisa trabalhar. Caso contrário, deixará de ter uma renda.

Ao levar seu trabalho a sério, você tem a possibilidade de organizar seu dia e ter tempo para ir ao médico, à academia, descansar e ter a renda esperada. Uma boa ideia para equilibrar as horas é definir uma meta mensal e dividir pelo número de dias úteis.

O resultado é o valor que deve alcançar todos os dias através da venda nas redes sociais. Como previu o trabalho sem contar feriados e finais de semana, tem a possibilidade de tirar folgas. Essa também é uma maneira de programar suas férias quando quiser.

Esse é, aliás, um dos maiores atrativos para os profissionais. Entre todos os brasileiros, 77% pretendem ter mais liberdade para trabalharem da maneira que preferirem.

Flexibilidade

Os horários flexíveis e a possibilidade de fazer o que deseja naquele momento permite que suas horas sejam mais produtivas. Se você controlar o tempo trabalhado por meio de uma ferramenta, como o Toggl, verá exatamente quanto produz a cada hora e o valor que recebe.

A partir disso, tem a chance de melhorar e se desenvolver ainda mais. Aos poucos, você ajusta sua rotina aos jobs que tem e às oportunidades que surgem pelo caminho. Um bom exemplo este fato é a vida de influencer digital. Eles são responsáveis por sua renda mas tem a flexibilidade para fazer seus horários.

Saiba mais sobre o assunto no vídeo a seguir.

Mas afinal, é possível vender pela internet sem ter uma loja virtual?

Partindo do desejo de realizar venda nas redes sociais, muitos obstáculos podem ser encontrados. Dentre eles, um dos mais comuns é o fato de não ter uma loja virtual, o que para muitos é um grande problema. Porém, não é bem assim. Montar um negócio online vender pela internet sem ter loja virtual é sim possível.

A venda de produtos ou serviços virtualmente sem o uso da loja virtual pode ser feita de diversas formas. Dentre elas pode-se citar o uso do Facebook, Whatsapp Business, Marketplace, Blog, Instagram e mais outras opção que te possibilitam realizar a venda do que você quiser, sem depender da criação de uma loja virtual.

A seguir explicaremos mais detalhadamente as possíveis formas de vender produtos e serviços virtualmente sem a necessidade da criação de uma loja virtual. Acompanhe!

Como efetuar uma venda nas redes sociais?

Como já foi dito anteriormente, existem inúmeras maneiras e, agora, falaremos mais a fundo sobre cada uma delas.

Facebook

Mesmo com inúmeros problemas e vexames que o Facebook tem passado nos últimos tempos, ele segue sendo uma das redes sociais mais utilizadas no mundo. Sendo assim, utilizá-lo como um meio para vender pela internet sem ter loja virtual.

No Facebook você pode criar sua própria página de vendas, isso sem precisar pagar pela contratação de um serviço ou algo assim.

Isso pode ser feito de três maneiras:

  • A primeira delas é criando uma página e a configurando para o modelo de compras, adicionando todos os produtos que deseja vender.
  • Já a segunda forma de vender no Facebook é anunciando em grupos de compra e venda. Esses grupos se tornam cada vez mais comuns, tendo vários deles para cada cidade ou região. Inclusive agora os grupos podem ser definidos como tipo comum ou tipo compras e vendas.
  • E a terceira e última das maneiras é anunciando os produtos diretamente no marketplace do Facebook.

Descubra tudo sobre o marketing no Facebook no vídeo a seguir:

WhatsApp Business

O WhatsApp é outro canal bem popular atualmente se tornando uma ótima alternativa para realizar a venda nas redes sociais sem a necessidade de utilizar uma loja virtual.

O sucesso do uso do WhatsApp para os negócios foi tão grande que surgiu o WhatsApp Business como uma versão exclusiva do app para essa função em específico.

Com o uso deste aplicativo, você tem acesso a recursos que tem como principal função melhorar o atendimento aos clientes. Dentre os recursos temos:

  • Perfil comercial – como o próprio nome já diz, esse recurso funciona como um perfil normal, dando informações úteis relacionadas ao seu negócio, como o nome dele, endereço, site, email, etc.
  • Etiquetas – este é um recurso que tem como intuito otimizar a organização dos contatos, podendo etiquetar cada um deles para serem encontrados com uma facilidade maior
  • Respostas rápidas – usado para responder perguntas frequentes, fornecendo uma resposta pré salva, agilizando o processo.
  • Mensagens automatizadas – com este recurso é possível deixar uma mensagem de saudação, ausência, ou outras, otimizando o tempo no seu negócio.

Leitura recomendada:

👉 Aprenda a usar o WhatsApp marketing no seu negócio

Instagram

Instagram é a rede social que mais cresce atualmente, se tornando cada vez mais popular dentre os usuários que desejam vender pela internet sem ter loja virtual.

Assim como sua popularidade, as atualizações da rede social estão a tornando cada vez mais suscetível aos usuários que pretendem vender produtos ou serviços com o uso do aplicativo.

Já é possível até marcar produtos fotos de produtos com um botão de compra, direcionando o usuário que clicar para a compra do item em questão. Esse recurso é utilizado em perfis comerciais e, por meio dele, o usuário consegue saber mais detalhes sobre o item, ou até mesmo ir diretamente para uma página de compras, tudo isso com apenas um único toque.

Entenda mais sobre o marketing no Instagram no vídeo a seguir e otimize sua venda nas redes sociais.

Como habilitar o recurso de vendas no Instagram Shopping

Implementar a loja no Instagram — chamada de Instagram Shopping — é uma estratégia que permite adicionar links para os produtos do seu site direto nas publicações. Então, se você efetuar a venda nas redes sociais, esse recurso é um grande aliado, já que direciona os clientes direto para a página de venda.

Contudo, alguns requisitos básicos são necessários para que a plataforma libere essa função para o seu perfil. Descubra quais são eles e como colocar essa estratégia em prática com este artigo e potencialize os seus resultados!

Como usar o Instagram Shopping

Se você já conseguiu a liberação para usar a loja no Instagram, poderá usá-la para mostrar o recurso “Toque para ver” em uma publicação. Ao tocar no ícone na tela, os visitante conseguem visualizar quais produtos estão sendo oferecidos ali e quanto eles custam.

Ao clicar na tag, eles são redirecionados automaticamente para o seu site, bem na página de venda do item em questão. É possível adicionar até cinco mercadorias por foto ou nove, caso seja usado o carrossel de imagens.

Os pré-requisitos para usar ter a loja no Instagram

Para contar com o Instagram Shopping e ter uma estratégia eficiente e dominar a venda nas redes sociais, o seu perfil precisa atender a alguns critérios básicos, estabelecidos pela plataforma. São eles:

  • o perfil deve ser de uma conta comercial;
  • só é possível vender produtos físicos (ou seja, serviços não podem ser ofertados por enquanto);
  • os produtos vendidos devem estar de acordo com as diretrizes e políticas estabelecidas pelo Instagram;
  • é necessário ter uma loja virtual, visto que o Instagram não tem funcionalidades que permitem fazer o processamento das vendas. A função serve apenas para redirecionar os compradores para o site;
  • o perfil comercial precisa estar vinculado a um catálogo do Facebook.

Leitura recomendada

👉 SEO para Instagram: 7 Técnicas pouco conhecidas para aumentar o seu alcance

👉 Vender através da live no Instagram é possível e vamos te contar como!

👉 Descubra como utilizar os vídeos curtos para Instagram!

Telegram

Já pensou em aperfeiçoar sua estratégia e aprender como vender no Telegram? Se essa possibilidade nunca passou pela cabeça, saiba que está perdendo uma grande oportunidade na área de marketing.Mais que um mensageiro instantâneo, o Telegram é uma ferramenta de marketing, que ajuda a fechar negócios e alcançar melhores resultados. Por que isso acontece? A resposta é simples!O app oferece muito mais funcionalidades que o WhatsApp — e elas podem ser usadas para atrair, encantar, reter e fidelizar clientes. Tem dúvidas de como fazer isso? Confira no post!

Conhecendo o Telegram

O Telegram é um aplicativo de mensagens instantâneas e ainda permite compartilhar atrativos, fotos, vídeos e outros tipos de documentos. Ele pode ser usado em diferentes dispositivos — as conversas são sincronizadas.

Tendo a velocidade e a segurança como duas das características principais, o Telegram é excelente para os negócios. Por meio dele, você pode criar grupos de mensagens com até 200 mil usuários.

Com isso, você tem mais chance de estabelecer uma comunicação amigável e se aproximar dos clientes. Da mesma forma, fortalece a sua marca e aumenta as oportunidades de venda nas redes sociais.

Quais são as principais diferenças para o WhatsApp na área de vendas?

Apesar de ambos serem mensageiros instantâneos, é mais fácil saber como vender no Telegram. Por ter ferramentas específicas, ele oferece algumas vantagens. Assim, as principais diferenças são:

  • quantidade de usuários: o limite é de 200 mil, enquanto no WhatsApp é de 256 participantes;
  • nível de segurança: o protocolo usado é o MTProto, que é construído sobre algoritmos testados ao longo do tempo. A criptografia tem duas camadas: cliente-servidor e cliente-cliente. As mensagens são armazenadas em nuvem, exceto os chats secretos. Eles têm criptografia ponta a ponta, com mensagens autodestrutivas. No WhatsApp, os conteúdos antigos ficam armazenados apenas no aparelho;
  • multiplataforma: os diferentes dispositivos usados acessam as mensagens, o que evita perdas de conversas com clientes. No WhatsApp, textos antigos podem não ser acessados;
  • edição de mensagens: os conteúdos podem ser editados e até apagados, inclusive nos grupos. No WhatsApp, isso só pode ser feito se os usuários não viram a mensagem. A edição não é permitida;
  • bots: o Telegram oferecer uma bota API e bots inline para atuar nos grupos. Eles podem acompanhar enquetes, votações e até e-mails. No WhatsApp, é preciso contratar uma ferramenta para ter acesso a esse recurso;
  • versão web independente: as versões desktop e web do Telegram funcionam de forma independente do mobile. Isso significa que você pode até desligar o smartphone e continuará usando o app. Isso não acontece no WhatsApp. No caso do término da bateria, pode até perder oportunidade de vendas.

Como vender no Telegram?

Entender como vender no Telegram passa por conhecer suas funcionalidades e boas práticas. As primeiras principais foram apresentadas. Agora chegou a hora de mostrar o que fazer. Veja!

Personalize o Telegram: crie um nome de usuário para ter acesso a mais funcionalidades, como a possibilidade de ter um link para conversar com usuários. Nesse caso, quando clicar nele, a pessoa será direcionada. Essa também é uma forma das pessoas poderem citar seu nome nos grupos e você receber a notificação.

Use os grupos: permitem interagir com várias pessoas ao mesmo tempo, mas também responder mensagens específicas. Basta clicar em uma delas, criar seu conteúdo e o usuário será notificado.

Aposte nos vídeos: é mais fácil enviar um vídeo com o Telegram. Basta digitar @youtube e uma palavra-chave e uma lista aparecerá. Também é possível assistir sem sair do app, o que aumenta a chance das pessoas responderem por ali.

Invista na mídia compartilhada: é um botão que permite encontrar todas as mídias já enviadas naquela conversa. Ela ainda está separada por categorias — como fotos, vídeos, links etc. — para facilitar a busca.

Adote os stickers: são mais chamativos e tendem a atrair os usuários. Para vender no Telegram, você pode buscá-los por pacotes que podem ser baixados ou copiados. Se quiser, também é possível criá-los para tornar as mensagens mais interativas.

Conte com o áudio: é possível enviar e até acelerar a escuta sem perder a qualidade. Você também pode travar o botão para gravar a mensagem, ou seja, não precisa ficar com a tela ligada o tempo todo. No caso de um grupo com vários áudios, é só dar o play no primeiro e os outros são reproduzidos de forma automática.

Até aqui você viu como trabalhar com a venda nas redes sociais. Complemente seu aprendizado explorando também o Marketing nesses canais e otimize sua estratégia. O vídeo a seguir pode te ajudar.

4 dicas para otimizar sua venda nas redes sociais

Agora que você conhece as redes sociais potenciais para explorar o recurso de vendas nas mesmas, vamos te mostrar algumas dicas de como aplicar essa estratégia na prática. Acompanhe!

1. Use ferramentas que auxiliem no agendamento de publicações

Sua marca tem um público específico que acessa mais as redes sociais em determinados dias e horários. Existem várias recomendações de quando as postagens devem ser feitas. No entanto, para ter precisão, é preciso avaliar o contexto do seu negócio para efetuar a venda nas redes sociais.

Os dados estão disponíveis nos próprios relatórios das mídias e podem ser acessados quando você quiser. Ali, é possível ver os dias e os horários que seus seguidores mais acessam as redes sociais, a faixa etária deles, seu gênero e outras informações relevantes.

A partir disso, você deve fazer publicações no momento certo. Para evitar a perda do timing, conte com uma ferramenta que tenha esse recurso. Por meio do agendamento, você consegue criar e organizar os conteúdos, inclusive dos Stories, para manter o seu calendário ordenado.

Ao mesmo tempo, deixa de se preocupar com finais de semana, feriados, horários noturnos e outros. Basta programar e o post será lançado de forma automática no horário que quiser e tiver maior audiência.

Isso tende a elevar seu alcance e melhorar o desempenho nas compras online do final de ano. Ao mesmo tempo, é uma forma de elevar o engajamento nesse período e manter, pelo menos, parte dele ao longo dos outros meses.

2. Explore os recursos das redes sociais

As contas comerciais das redes sociais têm mais ferramentas disponíveis que os perfis físicos. Use essa característica a seu favor. Como? Algumas possibilidades são:

  • otimizar a divulgação com a inserção de balões de preços para diferentes peças em uma imagem. Assim, o cliente descobre o valor e finaliza a compra em sequência;
  • usar a vitrine com redirecionamento. Isso consiste em uma página paralela com diferentes imagens de produtos que direcionam para a finalização da compra;
  • adotar o Stories para fortalecer o relacionamento e explorar o imediatismo e a espontaneidade. Você ainda pode inserir links, fixar a história no perfil da página e inserir outros recursos, como gifs e adesivos;
  • harmonizar as publicações no feed para trazer equilíbrio e coesão, além de reforçar a identidade da marca. Aqui, você também deve usar a vitrine.

3. Adote fotos mais trabalhadas e chamativas

O conteúdo visual atrai o olhar com mais facilidade — por isso, é um incentivador das compras. No online, a ideia é a mesma, com a diferença de que você deve usar fotos mais trabalhadas e chamativas.

A ideia é que as fotos sejam de qualidade e estejam relacionadas ao assunto da publicação. Por isso, vale a pena criar estratégias para alcançar bons resultados. O mosaico é um exemplo. Nesse caso, você faz postagens isoladas que, quando unidas, formam uma nova imagem para impulsionar a venda nas redes sociais.

10 dicas para tirar boas fotos de produtos para redes sociaisPowered by Rock Convert

4. Tenha uma escrita mais persuasiva

A escrita persuasiva, também chamada de copywriting, é aquela em que uma mensagem incentiva a compra de um produto ou serviço. Seu propósito é aumentar os clientes e a conversão por meio de gatilhos específicos e do encadeamento de ideias.

Em uma estratégia focada em venda nas redes sociais, a escrita persuasiva cria uma imagem positiva da marca, aumenta o alcance da mensagem e gera autoridade. Para ser eficiente, seja direto e objetivo, busque resolver problemas e fale dos benefícios do seu produto ou serviço.

Lembre-se de que existe momento para tudo e fazer apenas brincadeiras é pouco efetivo. O melhor é ser relevante, a fim de encantar o público e estimular uma interação real. Portanto, fale diretamente com o consumidor e mostre por que ele deve fazer sua compra de final de ano online na sua marca.

Para seguir todas essas dicas, você precisa de uma ferramenta completa de gestão, agendamento e vendas, especialmente no Instagram. Por meio de uma solução como essa, você pode fazer o agendamento, enviar mensagens automáticas no Instagram, criar landing pages e gerenciar links.

Mais que isso, as mensagens podem ser enviadas de forma automática para seguidores novos e antigos. Assim, é possível apresentar as promoções e estimular as compras de final de ano online. O resultado é mais engajamento e uma tendência de faturamento maior nesse período e também em outros momentos.

Achou interessante e quer saber mais sobre uma plataforma completa de gestão, agendamento e vendas? Faça um teste gratuito na Bume e descubra como sua empresa pode se beneficiar!

Powered by Rock Convert

Você também pode gostar

EBOOK - Guia da produção de conteúdo para redes sociais Baixe gratuitamente!